sexta-feira, 20 de julho de 2012

Conto de amizade

Sentei-me para admirar a chuva que caia. Para olhar as gotas que desciam fortes e estrondosas na terra, abrindo sulcos e fendo o solo seco.  O dia cinza e frio, tão reconfortante, simbólico e preciso, tão belo em sua solidão. 
Sentada eu admirava o que os demais aprenderam a desprezar. Caminhei lentamente, deixando a água lavar minhas dores e permaneci ali, no meio da rua, com a chuva descendo pelos cabelos, costas, mãos, pernas e pés. Ali em pé abri os olhos o quanto pude para admirar a verdadeira força da natureza.

Enquanto o vento uivava assombroso, frio e triste, com a chuva gelada descendo pelos dedos, pude observar uma figura trêmula. Um pequeno pássaro, tão lindo, tão frágil, tão molhado... devagar me aproximei, o pequeno animal estava pousado em um único galho verde de um arvore seca.

Ali admirando a cena, me perdi em mim mesma. Voltei aos anos verdes de sorrisos e brincadeiras, de gargalhadas e abraços, de beijos e beliscões nas costelas... mergulhei e me afoguei nas lembranças de tardes ensolaradas embaladas pelo suave e gelado sabor do sorvete. Me deixei levar pelas correntezas de lágrimas que desciam pelo rosto.

Um pequeno animal representara tanto para mim. Desejei estar no lugar dele, ou melhor, lutar lado a lado, como tantas vezes fizera por mim. Mas mal pude estender as mãos.

Sentei-me e o assisti, firme e resoluto em não abandonar seu lugar. Assim sou eu, firme e resoluta em jamais abandonar meus amigos, mesmo diante da dor, mesmo diante da minha dor. Mesmo quando o que mais quero é permanecer só.

Permenço agarrada ao galho verde da amizade, mesmo quando as tormentas da vida querem me levar daqui. Me tiram a paz ou o sono... ainda assim estarei ao seu lado...mesmo que um dia venha a me abandonar, como já fizeram, ainda assim serei para você como o galho é para o passarinho na tempestade!

OBS: O texto foi escrito por mim e é proibido seu uso ou cópia integral, ou de fragmentos, sem a autorização da autora. O mesmo vale para todo e qualquer conteúdo deste blog que seja de minha autoria. Sua cópia ou uso sem autorização é qualificado como plágio, sendo configurado como crime previsto no Código Penal. O infrator está sujeito as punições previstas no Art. 184 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40.

Kamila Mendes

8 comentários:

Matheus Almeida disse...

e você conseguiu arrancar lagrimas que em mim estavam travadas, obg. por tudo!!! Deus ja esta exercendo o seu Poder na sua vida.

Kamila Mendes disse...

Aleluia...obrigado amigo!

Evy Turner disse...

'beliscões nas costelas'...isso deve doer..kkkk
É tão legal qndo a gente para pra observar as pequenas coisas da vida..coisas tão lindas afloram de dentro de nós. Coisas como o seu conto, Kami.

Kamila Mendes disse...

obrigada Evy...na realidade as coisas mais belas q tenho na vida são a amizade de vc's!

Evy Turner disse...

♥♥♥

Pilar disse...

Nossa kami.. lembrei de tantos momentos q passei..Lindoo

Rosa Mattos disse...

oi Kamila, quanta delicadeza e sensibilidade se encontra impregnada neste seu texto.

Seu conto de amizade ficou poético e comovente...bem lindo de se ler!

beijos/grata/!
ótimo início de semana♥

Aline Gasparini disse...

Ah, seus textos são maravilhosos, sem exagero nenhum. Eu simplesmente me emociono com todos eles. Adorei o post, ficou realmente muito bom :D

Beijos&beijos

Book is life