quarta-feira, 18 de julho de 2012

Feira das vaidades

É difícil chegar a um local onde todos se conhecem. As pessoas já te olham atravessado esperam um deslize teu. Elas se protegem. Você se torna um párea. Mesmo com meses de convivência, as pessoas te observam aguardando apenas um erro. São como chacais, farejando ao seu redor, te olhando desconfiadamente, torcendo para estarem certos e quando, por fim, você erra, elas sorriem vitoriosas, pois sabiam desde o inicio que você erraria!
Engraçado essa disposição de esperar pelo erro dos outros, dos que são de fora do circulo, e apontá-los acusadoramente. Engraçadamente hipócrita, pois se julga quem é de fora e protege quem está dentro. Uma comunidade fechada, hipócrita e podre. Onde erros são ignorados e perdoados, quando vem de dentro, os erros de fora são jogados na lama da podridão. Não há perdão para estes. Só raiva, rancor e indiferença.

Bem vindo a esse mundo bizarro, estranho e hipócrita!

OBS: O texto foi escrito por mim e é proibido seu uso ou cópia integral, ou de fragmentos, sem a autorização da autora. O mesmo vale para todo e qualquer conteúdo deste blog que seja de minha autoria. Sua cópia ou uso sem autorização é qualificado como plágio, sendo configurado como crime previsto no Código Penal. O infrator está sujeito as punições previstas no Art. 184 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40.
 

Kamila Mendes

2 comentários:

Lindalva disse...

Boa tarde Kamila, maravilhoso teu blog - sou a Lindalva da Ilha e administradora do Ostra da Poesia e vim validar teu voto no Pena de Ouro. Abraços poéticos.

Endry disse...

Bah, flor! Falaste uma verdade. O ser humano é tão complexo e conviver com vários é mais complexo ainda...

Beijo grande :*