sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Mundos que pensei


Comecei a escrever, porque percebi que havia muitos mundos dentro de um só. Alguns já foram infinitamente explorados, sendo praticamente impossível garimpar algo novo. Outros estão a espera de exploradores, tal qual a América a espera de Colombo.

Não são paginas em branco. Suas linhas já foram escritas, seus personagens, delineados, mas você escolhe o rumo da história. Colombo escolheu explorar até o limite. Você pode colher pequenas rosas ou tropeçar em pedras, fica a seu critério.


Eu, porém, escolhi plantar e colher. Planto sementes de contos e poesia, para, mais tarde, colher estórias mágicas e cheias de energia.

É complicado criar um mundo novo. Mas você pode fazê-lo. Tenho um desafio aparentemente impossível: criar um mundo só meu. Então, milhões de ideias, relativas a mundos já existentes, vem até mim. Descarto-as uma a uma, quando percebo que não passam de um mero plágio de algo existente e contundente.
Não pretendo ficar à sombra de ninguém. Não. Posso criar mundos novos, ou promover excursões a mundos tão inexplorados que chegam a ser selvagens e venenosos.

Procuro por inspiração em pétalas, areia, ou gotas de chuva. Mas geralmente ela vem, assim, do nada, com uma leitura confusa e, por vezes, agradável. Mas são assim que os mundos se formam. As dimensões criam formas e cores. Seres mágicos, misteriosos surgem de fossos cavados dentro de mim. Amores bonitos, calmos e plácidos, transitam de um mundo a outro, tentando encontrar um repouso.

Assim é minha mente: uma torrente em expansão. Contínua chuva de ideias. Intermitente fluxo de paixões e desamores. Apenas um rio em contínuo fluxo e volume de sentimentos confusos que geram mundos difusos, dentro do porão do meu ser.

OBSO texto foi escrito por mim e é proibido seu uso ou cópia integral, ou de fragmentos, sem a autorização da autora. O mesmo vale para todo e qualquer conteúdo deste blog que seja de minha autoria. Sua cópia ou uso sem autorização é qualificado como plágio, sendo configurado como crime previsto no Código Penal. O infrator está sujeito as punições previstas no Art. 184 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40

Kamila Mendes

6 comentários:

Mylla Stefany disse...

Káh, enquanto lia o seu texto eu lembrei de quando queria ser astronauta (isso na quarta série) para poder ir a Lua e talvez outros planetas, queria porque queria ir para Saturno, enfim... sonhos de criança.

Beijokas :*
Blog da Mylloka

Aline Gasparini disse...

Olá Káh!
Realmente é complicado criar um novo mundo. No entanto, acho que desde o momento que criei o meu blog, acabei criando meu próprio mundo também, sempre tive essa impressão. Mas enfim, parabéns pelo texto, ficou realmente ótimo.

Beijos&beijos
Book is life

Dri disse...

Que Lindo best =)
Kamiiii to com sdds dos seus contos :/

Kamila Mendes disse...

Oi Myllaaaaa...sonhava em ir pra Marte...eu queria encontrar um marciano gato e ficar por lá rsrsrsr... como vc disse, sonhos de criança!

bjos >.<


Aline, seu blog é sim um mundo a parte e eu amo vistá-lo XD

Dri, quais contos vc sente falta, best???

Mylla Stefany disse...

Káh, respondendo o seu comentário:

Não é uma foto? Sério? Nossa, mas é muito perfeita aquela imagem, esse artista tem talento, nem parece uma pintura...

Beijokas :*
Blog da Mylloka

Cris Bernardes disse...

Parabéns best!!!!
Seu texto descreve bem sobre nossas invenções de mundo desconhecidos,os sonhos de escritores fantásticos.
Amei mesmo!!! Vc está a cada dia melhor!