quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Minhas histórias

Visualizo a história. Ela se desenrola diante de meus olhos. Ganha vida própria e usa minha mente, vocabulário e dedos para viver. Preenche as páginas com sorrisos, lágrimas e espadas. As vezes os temas se repetem, mas a forma como se desenrolam é diferente.

Não escrevo nada que não possa visualizar. Nada que, em minha mente, não possa se transformar em um filme, ou em uma história vívida e plausível, pelo menos para mentes muito criativas.
Escrevo pelo prazer de ver meus heróis e vilões ganhando vida. Quero que outros os vejam lutar, sonhar, realizar como os vejo. Desejo que os amem e odeiem como eu. Vejo as nuvens se formando, o crepúsculo dos dias ganhando vida e enchendo os céus. Descrevo a lágrima que rola pelo rosto de minha heroína ou o sorriso maquiavélico de meu antipático herói.

Os conheço porque eles possuem porções do meu ser. Eles vivem em mim. Minha imaginação viaja em suas histórias de vida e emprega um destino bem intrigante. Algumas histórias se desenrolam apenas diante de mim. São tão rápidas que nem tenho tempo de colocá-las em palavras. Outras, tão densas que tenho medo de escrevê-las. Medo de dar vida a horrores que se formam, mas acho que o medo vem da crítica, vem daqueles que dizem que o mundo já é um lugar negro, então, pra quê descrever mais tristeza?

Bom, alguns contos nascem e morrem tristes. Outros são thrillers de ação incessante (a esses ainda não consegui dar vida, pois são rápidos como flash...falta palavras para descrevê-los). Existem os de terror, os sobrenaturais, de criaturas como vampiros e lobisomens...por quê ainda não so coloquei no “papel?” Porque, infelizmente, ainda tenho medo de críticas. Mas quem não tem?

Por enquanto, vou rascunhando, criando, desenvolvendo com graça até encontrar um estilo próprio e definido e, sim, pretendo dar vida esses contos mais sombrios e densos. Eles fazem parte de mim, afinal. E vou continuar imaginando, independente de criticas, por mais cruéis que elas sejam, afinal, o dom das palavras e imaginação foi dado a mim e não a você. Aquilo que sei que devo escrever, escrevo, ou guardo para depois. Aquilo que sinto claro em meu coração que não deve ganhar vida, eu calo e engulo. E vou continuar por aqui, sim, pois essas são minhas histórias.

OBS: O texto foi escrito por mim e é proibido seu uso ou cópia integral, ou de fragmentos, sem a autorização da autora. O mesmo vale para todo e qualquer conteúdo deste blog que seja de minha autoria. Sua cópia ou uso sem autorização é qualificado como plágio, sendo configurado como crime previsto no Código Penal. O infrator está sujeito as punições previstas no Art. 184 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40

Kamila Mendes

5 comentários:

Matheus Gaudard disse...

Lindo Kami... Faço igual a você, e assim como diz minha diva P!nk, um dia, exorcizamos nosso fantasmas, e mesmo assim há ainda muitos para serem expulsos de dentro de nós. ^^

Kisses ♥

Tami P. disse...

Oi kamila =) vim visitar seu espaço e tenho que dizer que me identifiquei muito com o texto, onde você descreveu muito bem tudo que eu vivo geralmente. Tanto que sinto como se alguém estivesse enxergado dentro de mim e registrado o que acontece. Doido isso né? Mas, é exatamente isso que você citou. Independente de críticas, devemos escrever o que decidimos. Na prática é um pouco complicado sim, porque querendo ou não desejamos dar vida a óutras vidas, as da nossa imaginação e desejamos dividir isso. Manter a liberdade de escrita é um desafio, desafio que enfrento sempre e acredito que você também. Afinal o dom é muito maior do que qualquer crítica... Beijos e aguarde minha próxima visita.


http://lofansy.blogspot.com.br/

Mylla Stefany disse...

Pois é, todos nós temos medo de críticas. Eu gosto muito de escrever, vivo escrevendo histórias, a maioria comédia romântica e toda a minha familia e até meus amigos me apoiam, o problema é que eu tenho medo das criticas, prefiro escrever só pra mim, eu acho que as minhas história não são boas o suficiente, sempre acho que tenho que acrescentar mais coisas, modificar outras e assim vai...
Não sei se algum dia terei coragem para publicar um livro, vamos ver..

Beijokas linda! Feliz natal e feliz ano novo!!! ^^
Blog da Mylloka

Evy Turner disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Evy Turner disse...

Kami mais uma vez sabendo descrever muito bem uma sensação que parece que faz parte do inconsciente coletivo dos criadores e autores de histórias ^^