sexta-feira, 8 de novembro de 2013

A procura de um lar

Desejava proteção! Ansiava por proteção. Por todos os caminhos tortos que seguiu, buscava apenas um lar para chamar de seu. A proteção e o abrigo que nunca encontrou abaixo do teto familiar.

Percorreu milhas de distância e nunca encontrou o lar quentinho, o aconchego de seus sonhos. Avistava dor e solidão. Mas o amor nunca estava ali.

Rodeou casas, muros, castelos. Voou mais alto que pode. Bateu suas asas freneticamente, mas não encontrou o que procurava.

Sentada na pedra da desesperança, pensava em qual passo daria a seguir: esquecer a buscar que movimentou seus anos até ali? Ou continuar buscando sem ao menos ter uma pista pra seguir?

Pensava e pensava e nem notou a chuva que molhava seu rosto. Suas asas encharcadas dardejavam apenas para expulsar a água que as deixavam pesadas. Continuou ali, sentada, com o queixo encostado no joelho e olhando o lago que parecia borbulhar, conforme as gotas d'águas se jogavam em seu interior.

Pensava no caminho percorrido, nas pedras no caminho. Nos anos que deixou para trás. Em seu bolso palpitava a única semente de esperança. Um pequeno rubi, depositado ao seu lado, quando ainda era bebê. Mas o bebê cresceu e agora procura pelo lar que não conheceu, mas não sabia se valia a pena conhecer.

Um barulho na folhagem atrás de si fez seu coração palpitar mais rápido do que esperava. Havia se esquecido do tempo, enquanto estivera ali olhando o lago. Olhando por cima do ombro, vislumbrou a franja molhada cobrindo os olhos castanhos e sorridentes. Nas mãos trazia um arco e uma caça.

Ele sorria e o coração dela também. As lágrimas não paravam de cair e ela já não sabia diferenciar o sabor da chuva com o de suas lágrimas. Olhou-o fixamente por um momento. Voltou seu olhar fixo no lago.

Sentiu mãos fortes e firmes lhe puxando pela cintura. A força e o ânimo a haviam abandonado nesse dia. Deixou-se levar. Ele a virou e ficou frente a frente com ela. Nada disse. Há muito não dizia nada. Apenas envolveu-a em seus braços e a apertou junto ao seu coração. Ali ela chorou e encontrou o aconchego da proteção pelo qual buscava.

OBS: O texto foi escrito por mim e é proibido seu uso ou cópia integral, ou de fragmentos, sem a autorização da autora. O mesmo vale para todo e qualquer conteúdo deste blog que seja de minha autoria. Sua cópia ou uso sem autorização é qualificado como plágio, sendo configurado como crime previsto no Código Penal. O infrator está sujeito as punições previstas no Art. 184 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40

Kamila Mendes

1 comentários:

Mariana Leal disse...

Olá, passei apenas pra dizer que já estou te seguindo e voltarei aqui futuramente pra fazer comentários sobre os posts.
Seu blog é maravilhoso, convido você e suas leitoras a conhecer meu blog
http://toobege.blogspot.com.br/
Beijinhos

Quem seguir no insta, sigo de volta http://instagram.com/theworldofmari