quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Sentir demais

E o encanto se quebrou. Você viu quem eu sou de verdade. Viu como sou tola e burra e como isso é tão diferente do que você fantasiou. Você viu o negror da minha alma e eu só queria acolher você. Mas te feri e eu sangrei. Estou sangrando.
Aos meus olhos tudo é purpura, nada mais tem qualquer outra cor. É como se fosse uma lente de contato que nunca sai. Dói reconhecer, mas eu errei. Errei porque abri uma brecha no meu escudo de proteção. Deixei você entrar, mas não deixei fazer morada. Seria absurdo se deixasse.

Era belo e ao mesmo tempo pesava. Porqe tinha que ser dessa forma? Porque não foi antes. Antes das vidas mudarem. Antes do amadurecimento. Antes de ser essa pessoa tão cheia de porques e de duvidas, quando eu ainda era meio rebelde e agia por impulso. Essa menina arrastaria você pra qualquer lugar e iria com você onde quer que fosse.

Sinto lágrimas vermelhas se jogarem no precípicio além de minhas palpebras e caem direto em meu coração. Um coração que bate na monotonia dos dias. Apenas bate, não ama e se recusa a amar. Foi amordaçado e e jão não dou mais liberdade a ele de me perder em dores que não mereço sentir, apesar de achar que talvez deva.

Apenas deito e relaxo e espero os dias passarem. Espero por algo que não virá. Por dias que não chegarão e me alegro em saber que, de fato, não há a possibilidade de chegarem. Não quero ser mais uma, ou só um flash. Apenas pendo a cabeça e me pergunto onde estou.

Estou aqui. Mas dentro de mim, estou em lugar nenhum. Flutuo no nada de sentimentos e no tudo de emoções, vago por lugares dentro de mim, os quais você não pode ver, porque se visse se desesperaria. Vago por lembranças e dores produzidas pela inconsciência de sentir demais.

Esse é meu problema, sentir demais!

OBS: O texto foi escrito por mim e é proibido seu uso ou cópia integral, ou de fragmentos, sem a autorização da autora. O mesmo vale para todo e qualquer conteúdo deste blog que seja de minha autoria. Sua cópia ou uso sem autorização é qualificado como plágio, sendo configurado como crime previsto no Código Penal. O infrator está sujeito as punições previstas no Art. 184 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40

Kamila Mendes

3 comentários:

Dri disse...

nossa best com certeza sentir demais é o problema :/

Matheus Gaudard disse...

Somos 2, Kami
"Esse é meu problema, sentir demais!"

Belíssimo texto. Parabéns!

vendedor de ilusão disse...

Olá Kamila, bom dia!
Hoje, já com saudade, publiquei o encerramento do Prosas Poéticas registrando, de público, a minha opinião e meu agradecimento a todos os participantes do evento. Se puderes, dê uma olhada.
De qualquer forma, já que estou por aqui, queria aceitar meu agradecimento por sua participação, que, além de dignificante e honrosa, foi brilhante. Saibas também de que não foi só lisonja que a mim causaste, – foi muito além; senti júbilo por ter tido a felicidade e a oportunidade de divulgar sua admirável criação...
Beijos e até mais!