quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Minha relação com as palavras

Palavras vem até mim e depois fogem em um eterno jogo de pique-esconde. É engraçado. Nós brincamos de mãos dadas e gargalhamos quando, infantilmente, trocamos os sentidos das coisas apenas para tentar descrever nosso mundo particular.

É uma relação de amor e ódio também. Eu as amo, as nino nos braços e as acaricio sempre que posso. Amo sua beleza e a singularidade de suas formas. Como elas me encantam e jogam charme em minha direção. Como meninas levadas me seduzem e me fazem gargalhar com sua graça divinal.

Mas, as vezes, elas me odeiam. Fogem de mim como a caça, em desespero, se esconde de seu caçador. Choro e peço pra que elas voltem, mas em vão derramo lágrimas. Elas se ausentam por dias, deixando meu coração enegrecido de tristeza e a garganta com um nó que não se desfaz.

Porém, quando voltam a coisa muda de figura. Elas voltam tímidas ou em jorro selvagem e avassalador. Estendo minha mão e, durante a timidez, se achegam devagar, quase ronronando como gatinhos assustados e carentes. No arroubo de saudade, voltam com voracidade e iluminam meu coração com tal força e paixão, que poderia passar dias ali, usufruindo de seus frutos.

Ahhhh... as palavras são teimosas criaturinhas vaidosas, que se apresentam quando querem e na forma que querem. É complicadíssimo molda-las, mas uma vez que se consegue é como se ouvesse uma simbiose entre vocês. Me sinto assim: as amo e as odeio...elas me amam e usufruem de mim, mas me temem e fogem como se sua existência dependesse disso...são coisinhas curiosas e belas, complicadas e arteiras essas palavas que me seduzem e me afastam de mim e de você.

OBS: O texto foi escrito por mim e é proibido seu uso ou cópia integral, ou de fragmentos, sem a autorização da autora. O mesmo vale para todo e qualquer conteúdo deste blog que seja de minha autoria. Sua cópia ou uso sem autorização é qualificado como plágio, sendo configurado como crime previsto no Código Penal. O infrator está sujeito as punições previstas no Art. 184 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40

Kamila Mendes

3 comentários:

vendedor de ilusão disse...

Olá Kamila,
Perdoe-me por usar esse espaço para me comunicar, sei que não devia fazê-lo, porém, estou querendo lhe enviar um e-mail com anexo e, lamentavelmente, não tenho mais seu endereço. Poderias, por favor, informá-lo novamente? Obrigado!

Mylla Stefany disse...

Gostei do seu texto, muito bom, parabéns!

Beijokas :*
Blog da Mylloka

Expedito Gonçalves Dias disse...

Kamila, passei para conhecer seu blog. Deixo-te um grande abraço!