quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Olhando no espelho


Continuo sendo a mesma. Continuo sendo eu. Com alguns machucados a mais e com a certeza de que a estrada percorrida até aqui me apresentou obstáculos cujos os esforços me ajudam hoje a entender que a apatia não é resposta pra nada.

Ainda tenho a tendência de me esconder, mas a prendi que fugir na hora certa não é covardia, é sinônimo de sabedoria e preservação. Preservar meu eu, meus sonhos, minha vontade de lutar. Desisti de entender o outro. Quero me entender e dar mais liberdade as minhas reações. Se não me quer por perto, ok. É doloroso, é. Mas não vou morrer, tão pouco vou deixar de viver. Você fez sua escolha e eu fiz a minha: continuar com um sorriso no rosto e a linda lembrança de algo que se quebrou.

Continuo tendo medo de olhar pra dentro, mas as imersões e confrontos próprios tem sido contínuos e tem me ajudado a permanecer. Esse tem sido meu objetivo: permanecer. Tendo em vista a facilidade que tenho de desistir, começo a lutar contra mim mesma e que luta árdua é essa. Lutar contra meus sofismas, minhas percepções e romantismo tem me estruturado, destruído e reerguido ao mesmo tempo.

Tenho a certeza que vou sair disso com mais feridas do que teria se tivesse prestado um pouco mais de atenção, mas também vou sair mais forte, tal qual o guerreiro inexperiente, entrei nessa guerra fraca e inocente. Saio agora frágil, porém fortalecida. Sábia e não mais tola e crendo que em nenhum momento estou só, pois consigo ver a fidelidade de Deus nas pequenas coisas. Sei também que cada lágrima Ele enxugou. Não estou só.

Ainda sou a menina moleca com ares de mulher. Sonhadora e romântica, realista e pessimista. Acredito desconfiando e planto meus pés no chão quando eles tentam voar acima das nuvens, onde já não encontro ponto de referência, lugar fácil pra me perder de mim mesma. Sou gentil e grosseira, esperta, boba e tola. Inteligente e reconheço minha pequinês diante de alguns assuntos. Se sou mulher aos olhos dos homens, objeto de uso, aos olhos de Deus sou menina, princesa a ser guardada e protegida para que um príncipe apareça, não para salvá-la, mas para governar ao lado dela, dando somente o valor e o respeito que almeja.

Sou simples e complicada, gosto de conversar e ficar quieta. Não sou extravagante e falante, sou calma e pacífica, guerreira e briguenta, doce, dócil e manhosa. É sou assim mesmo: mulher que gosta de andar descalço e brincar no balanço, menina que anda de salto alto e brinca de gente grande!

OBS: O texto foi escrito por mim e é proibido seu uso ou cópia integral, ou de fragmentos, sem a autorização da autora. O mesmo vale para todo e qualquer conteúdo deste blog que seja de minha autoria. Sua cópia ou uso sem autorização é qualificado como plágio, sendo configurado como crime previsto no Código Penal. O infrator está sujeito as punições previstas no Art. 184 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40

Kamila Mendes

3 comentários:

Hena disse...

Gostei mana :) Deus te abençoe

Jeh Polato disse...

Parabéns pelo blog.

bjinhuxxx
Eu li e Divulgo - http://euliedivulgo.blogspot.com.br/
@Jeh_Polato

Cris Bernardes disse...

nossa man que texto lindo...amei
parabéns!