quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Bela – Uma princesa diferente (Parte III)


Depois de pesquisar artigos, matérias e até Teses de Mestrado e Doutorado (sim! É possível escrever uma tese de Mestrado ou Doutorado sobre conto de fadas, contanto que sua enfase seja relevante para o meio acadêmico e para a sociedade), cheguei a minha humilde conclusão :3

Diferente de algumas princesas, Bela não fugiu para a floresta e se escondeu buscando viver um vida diferente. Tão pouco decidiu lutar apenas quando um príncipe apareceu na sua frente para encorajá-la, ou se entregou a uma armadilha por amor a um homem. Bela se sacrificou pela família.

“Enquanto Branca de Neve e A Bela Adormecida esperam ser salvas por seus respectivos príncipes, é Bela quem salva o seu física e emocionalmente. Primeiramente, na cena com os lobos, em que ele quase morre devido aos machucados providos do combate com os animais, e depois com o rompimento do feitiço, quando declara seu amor. Em contrapartida, podia de fato conhecer o homem pelo qual se apaixonaria mais tarde, desejando uma relação e não um casamento.” (Pires e Facchin )* 

Mas, mesmo se entregando como sacrífico para a temível Fera, a menina não se recolheu a sua insignificância e passou dias chorando as amarguras de ter perdido a liberdade. A primeira coisa que ela fez foi sacudir a poeira.

Bela descobriu os objetos encantados do castelo e a biblioteca. Ora, para uma leitora inveterada, o que podia ser melhor do que uma sala recheada de livros? Aquilo era o paraíso. 

Como todo ser humano, sua primeira reação ao conhecer Fera foi de medo, mas passou a perceber pequenos detalhes na personalidade do monstro que lhe diziam haver algo humano ali. E assim, ela passou a investir tempo nele. Não fugia mais, mesmo com os arroubos de raiva e agressividade da Fera, Bela continuou insistindo até ganhar a amizade e por fim o coração da Fera.

Bela Não nasceu com sangue real, mas por conta de sua humildade e por ter lutado no que acreditava, alcançou seu posto na realeza. Ela se tornou princesa por mérito próprio: conquistou seu príncipe (sem se quer saber que ele pertencia a realeza), salvou-o da morte e a vila inteira, que a criticava por viver com a cabeça nas nuvens, passou a servi-la.

O ponto aqui é que Bela já era princesa sem saber. Ela conquistou essa posição por mérito próprio: Quando se deu o devido valor e rejeitou o pedido de casamento de Gaston (diga-se de passagem: quem é a louca que aceitaria?? oO). Ela não se conformou com aquilo que as pessoas diziam que ela deveria ser. Vemos isso na primeira cena de Bela. Ela entra na vila no interior da França cantando sobre uma vida fora daquele lugar que ofereça muito mais que aquilo ali. Ela se preparou para um príncipe e não aceitou sapos em sua vida.

Por que então, se conformaria em aceitar o pedido de Gaston que menosprezava tudo aquilo que ela amava. Gaston tinha dinheiro, fama, era, de certa forma, atraente, mas não podia lhe dar o que ela mais desejava: amor com liberdade. 1) Gaston só queria casar com Bela por status: “Eu sou bonito, ela é a mais bonita. O que mais ela poderia querer!” (frase dele). 2) Ele desprezava a maio paixão dela: os livros.

Por outro lado, Fera, mesmo com sua arrogância, seu orgulho e selvageria, atendeu aos anseios de Bela. Apesar de tê-la aprisionado não a tratou como prisioneira. Deu-le um quarto, vestidos novos e uma biblioteca inteira. Tentava ser gentil e quando pela disse que queria visitar o pai, Fera a deixou livre pra partir. Bela se apaixonou pelo interior da Fera e não pelo exterior.

Eles construíram uma relação juntos. Não foi nada por status como Gaston queria. E quando Fera se tornou príncipe, os anos que Bela levou se tornando diferente das outras valeram a pena. Ela se tornara uma princesa para um príncipe.

Vale a pena levar isso pra vida. Tah certo que é difícil pensar em um príncipe europeu batendo na minha porta e me pedindo em casamento. Mas por que vou ser igual as outras garotas se posso ser uma princesa entre plebeus e desse jeito, posso fazer minha própria história e ainda encontrar meu príncipe?

É por isso que amo A Bela e a Fera!!!!


OBS: O texto foi escrito por mim e é proibido seu uso ou cópia integral, ou de fragmentos, sem a autorização da autora. O mesmo vale para todo e qualquer conteúdo deste blog que seja de minha autoria. Sua cópia ou uso sem autorização é qualificado como plágio, sendo configurado como crime previsto no Código Penal. O infrator está sujeito as punições previstas no Art. 184 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40

Kamila Mendes

6 comentários:

Joane Dethetis disse...

Lindo mesmo <33 Amei :33

Rafa S.R. disse...

Impressionante como coisas com as quais lidamos tão frequentemente no nosso cotidiano podem esconder mensagens tão incríveis.
A Bela e a Fera também sempre foi meu filme favorito (das adaptações da Disney, claro). Como você disse no post, Bela tem algo especial que as outras princesas não tem. É mais fácil de se identificar com ela, e talvez seja por isso que os ensinamentos do conto, que nem sempre são expostos tão claramente como no seu texto Kami, possam ser aplicados em situações tão diferentes.
Uma linda iniciativa a sua.
Amei ler o texto, de verdade.
Bjk, Rafa.

Cores de outono disse...

Ahhh Kamila! Estou apixonada pelo seu texto! Segui a Rafa até aqui e posso dizer, como ela, que AMO a Bella e a Fera, desde sempre! Em todas as suas versões... Até um livro saiu deste amor ohhh Por isso sua interpretação foi tão especial, registrou a metáfora desse amor incompreendido, fora do que a maioria chama de "normal"! Parabéns!!! Adorei conhecer seu Blog!
Beijos Rafa , por me trazer aqui e Beijos Kamila, virei sua fã!

Keila Gon

Ale disse...

lindo, top, super top :3

Eleonor Hertzog disse...

Ok, mais uma seguindo a Rafa até aqui!
Gostei demais do texto, achei a análise bem interessante, não tinha visto os personagens por este ângulo! Na verdade, em termos de Disney, sou desaforadamente criança: olho, gosto, não gosto, fim! Não procuro justificativas, rsrs!
Obs: é CLARO que adoro a Bela! Afinal, ela é uma personagem que LÊ e tenta estimular os outros a lerem também! É um exemplo precioso!
Bjs, parabéns, continua assim, Kamila!

☆Lu Cavichioli disse...

Oi Kamila, teu blog tem magia no ar e devo colocar que você escreve muito bem, moça.

Fiquei apaixonada com sua narrativa tão bem detalhada.
Também gosto demais dessa história e perdi a conta de quantas vezes assisti com a minha filha rsrs...

Já estou te seguindo e se tiver um tempinho venha me visitar em meus bloguinhos. Será um prazer recebe-la.

abraços para ti! :)